segunda-feira, 1 de fevereiro de 2016

1ª parte - crítica social do julgamento do gosto (leitura sistematizada)


  • A ESTÉTICA POPULAR (P.35)
CISMA CULTURAL: ASSOCIA CADA CLASSE DE OBRAS COM SEU PÚBLICO. DIFÍCIL OBTER UM JULGAMENTO REALMENTE VIVENCIADO PELOS MEMBROS DAS CLASSES POPULARES SOBRE AS EXPERIMENTAÇÕES DA ARTE MODERNA. LEVAR PARA DENTRO DE CASA ALGUNS ESPETÁCULOS ERUDITOS OU CERTAS EXPERIÊNCIAS CULTURAIS QUE COLOCAM NO ESPAÇO DE UM MOMENTO, UM PÚBLICO POPULAR EM PRESENÇA DE OBRAS ERUDITAS, ÀS VEZES DE VANGUARDA. A TELEVISÃO CRIA VERDADEIRAS SITUAÇÕES EXPERIMENTAIS, NEM MAIS NEM MENOS ARTIFICIAIS OU IRREAIS QUE AQUELA PRODUZIDA POR QUALQUER PESQUISA EM MEIO POPULAR SOBRE A CULTURA LEGÍTIMA. PÂNICO MESCLADO DE REVOLTA DIANTE DE CERTOS OBJETOS. ESPÉCIE DE AGRESSÃO E DESAFIO AO BOM SENSO E ÀS PESSOAS DE BOM SENSO. EX: PROGRAMAS TELEVISIVOS DE VARIEDADES COM EFEITOS ESPECIAIS À MANEIRA DE AVERTY. OS ESPECTADORES DAS CLASSES POPULARES REAGEM NÃO SÓ PORQUE NÃO SENTEM NECESSIDADE DESTAS REPRESENTAÇÕES PURAS, MAS COMPREENDEM QUE SUA NECESSIDADE VEM DA LÓGICA DE CERTO CAMPO DE PRODUÇÃO QUE, POR ESTAS MESMAS REPRESENTAÇÕES, OS EXCLUI.

EXPERIMENTAÇÃO FORMAL QUE NA LITERATURA OU NO TEATRO LEVA À OBSCURIDADE. OPINIÃO DO PÚBLICO POPULAR, DESEJO DE MANTER À DISTÂNCIA O NÃO INICIADO.A PROPÓSITO DE CERTOS PROGRAMAS CULTURAIS DA TELEVISÃO. APARELHO PELO QUAL SE ANUNCIA O CARÁTER SAGRADO, SEPARADO, QUE SUSCITA A SEPARAÇÃO DA CULTURA LEGÍTIMA, DOS GRANDES MUSEUS, LUXO GRANDIOSO DAS ÓPERAS E DOS GRANDES TEATROS, CENÁRIOS E APARATOS DOS CONCERTOS. O PÚBLICO POPULAR APREENDE CONFUSAMENTE. FATO DE DAR FORMA E DE COLOCAR FORMAS, TANTO NA ARTE QUANTO NA VIDA. UMA ESPÉCIE DE CENSURA DO CONTEÚDO EXPRESSIVO. EXPLODE NA EXPRESSIVIDADE DO FALAR POPULAR. AO MESMO TEMPO UM DISTANCIAMENTO, INERENTE À FRIEZA CALCULADA DE QUALQUER EXPERIMENTAÇÃO FORMAL. UMA RECUSA DE COMUNICAÇÃO ESCONDIDA NO ÂMAGO DA PRÓPRIA COMUNICAÇÃO EM UMA ARTE QUE DISSIMULA E RECUSA O QUE ELA PARECE MANIFESTAR TÃO BEM QUANTO NA CORTESIA BURGUESA. IMPECÁVEL FORMALISMO É UMA PERMANENTE ADVERTÊNCIA CONTRA A TENTAÇÃO DA FAMILIARIDADE. INVERSAMENTE, O ESPETÁCULO POPULAR PROPORCIONA A PARTICIPAÇÃO INDIVIDUAL DO ESPECTADOR NO ESPETÁCULO, ASSIM COMO A PARTICIPAÇÃO COLETIVA NA FESTA PROMOVIDA PELO ESPETÁCULO. CIRCO, MELODRAMA, ESPETÁCULOS ESPORTIVOS, BOXE SÃO MAIS POPULARES QUE OUTROS ESPETÁCULOS COMO A DANÇA E O TEATRO. POR SEREM MENOS FORMALIZADOS, OFERECEM SATISFAÇÕES MAIS DIRETAS E IMEDIATAS. MUSICA HALL, OPERETA, FILME DE GRANDE ESPETÁCULO, MAGIA DOS CENÁRIOS, BRILHO NOS TRAJES, MÚSICA ENVOLVENTE, VIVACIDADE DA AÇÃO, ARDOR DOS ATORES. SATISFAÇÃO, FORMAS DE COMICIDADE, DAQUELAS QUE TIRAM SEUS EFEITOS DA PARÓDIA, SÁTIRA DOS GRANDES ARTISTAS, IMITADORES, CANTORES, GOSTO E SENTIDO DA FESTA, CONVERSAÇÃO, BRINCADEIRAS ESPONTÂNEAS. DESFECHO: LIBERAÇÃO POR COLOCAR O MUNDO SOCIAL DE PONTA CABEÇA, DERRUBANDO AS CONVENÇÕES E AS CONVENIÊNCIAS.


  • O DISTANCIAMENTO ESTÉTICO (P.37)
LADO OPOSTO DO ESTETA QUE SE APROPRIA DE UM DOS OBJETOS DO GOSTO POPULAR, WESTERN OU HISTÓRIAS EM QUADRINHOS E INTRODUZ UM DISTANCIAMENTO, UMA DIFERENÇA, DIMENSÃO DE SUA DISTINÇÃO DISTANTE. PERCEPÇÃO DE PRIMEIRO GRAU, DESLOCANDO O INTERESSE DO CONTEÚDO, PERSONAGENS, PERIPÉCIAS EM DIREÇÃO À FORMA, AOS EFEITOS PROPRIAMENTE ARTÍSTICOS QUE SE APRECIAM APENAS RELACIONALMENTE PELA COMPARAÇÃO COM OUTRAS OBRAS. EXCLUSIVA DA IMERSÃO NA SINGULARIDADE DA OBRA IMEDIATAMENTE DADA. INCESSANTE REPETIÇÃO PELA TEORIA ESTÉTICA DE QUE A ÚNICA MANEIRA DE RECONHECER A OBRA DE ARTE PELO O QUE ELA É (AUTÔNOMA) IMPLICAVA O DESPRENDIMENTO, O DESINTERESSE, A INDIFERENÇA. TAIS PALAVRAS SIGNIFICAM VERDADEIRAMENTE DESINVESTIMENTO, DESPRENDIMENTO E INDIFERENÇA, OU SEJA, RECUSA DE INVESTIR-SE E DE LEVAR ALGO A SÉRIO.LEITORES DESILUDIDOS, ADVERTIDOS DE QUE NADA É MAIS INGÊNUO E VULGAR QUE INVESTIR DEMASIADA PAIXÃO NAS COISAS DO ESPÍRITO, OU DE ESPERAR DELAS DEMASIADA SERIEDADE. ACOSTUMADOS A OPOR TACITAMENTE LIBERDADE DE ESPÍRITO E INTEGRIDADE MORAL OU A CONSTÂNCIA POLÍTICA. OBRAS AUTOSSUFICIENTES (SELF-CONTAINED) INSPIRAM APENAS O DESEJO, É CLARO, DE LER NOVAMENTE O LIVRO E COMPREENDÊ-LO MELHOR. VIRGINIA WOOLF CRITICA OS ROMANCES DE H.G.WELLS, JOHN GALSWORTHY E ARNOLD BENETT - DEIXAM UM SENTIMENTO ESTRANHO DE INCOMPLETUDE E DE INSATISFAÇÃO.

RECUSA DE QUALQUER ESPÉCIE DE INVOLVEMENT, DE ADESÃO INGÊNUA, ABANDONO VULGAR À SEDUÇÃO FÁCIL E AO ARREBATAMENTO COLETIVO QUE SE ENCONTRA INDIRETAMENTE NO ORIGEM DO GOSTO PELAS EXPERIMENTAÇÕES FORMAIS E PELAS REPRESENTAÇÕES SEM OBJETO. NUNCA SEJA TALVEZ TÃO VISÍVEL QUANTO NAS REAÇÕES DIANTE DA PINTURA. SE VÊ CRESCER, EM FUNÇÃO NO NÍVEL DE INSTRUÇÃO A PARCELA DAQUELES QUE INTERROGADOS SOBRE A POSSIBILIDADE DE TIRAR UMA BELA FOTOGRAFIA COM UMA SÉRIE DE OBJETOS, RECUSAM COMO VULGARES E FEIOS, OU REJEITAM COMO INSIGNIFICANTES, TOLOS, CAFONAS, OU NA LINGUAGEM DE ORTEGA Y GASSET, INGENUAMENTE HUMANOS, OS OBJETOS COMUNS DA ADMIRAÇÃO POPULAR: PRIMEIRA COMUNHÃO, DANÇA FOLCLÓRICA, PÔR-DO-SOL NO MAR OU PAISAGEM. ASSIM COMO A PARCELA DAQUELES QUE AFIRMAM A AUTONOMIA DA REPRESENTAÇÃO EM RELAÇÃO À COISA REPRESENTADA, JULGAM QUE É POSSÍVEL TIRAR UMA BELA FOTOGRAFIA E EXECUTAR UMA BELA PINTURA COM OBJETOS SOCIALMENTE DESIGNADOS COMO INSIGNIFICANTES: ARMAÇÃO METÁLICA, CASCA DE ÁRVORE, COUVES, OBJETOS TRIVIAIS POR EXCELÊNCIA OU COMO FEIOS OU REPELENTES ACIDENTE DE TRÂNSITO, BALCÃO DE AÇOUGUE, CASCA DE ÁRVORE, (ESCOLHIDO POR ALUSÃO A REMBRANDT) OU UMA SERPENTE (POR REFERÊNCIA A BOILEAU), OU AINDA COMO INCONVENIENTE, UMA MULHER GRÁVIDA.

FOI IMPOSSÍVEL INSTALAR UM VERDADEIRO DISPOSITIVO EXPERIMENTAL. FORAM COLETADAS AS DECLARAÇÕES DOS ENTREVISTADOS SOBRE O QUE ELES JULGAM FOTOGRAFÁVEL E LHES PARECE SUSCETÍVEL DE SER CONSTITUÍDO ESTETICAMENTE (POR OPOSIÇÃO AO QUE É EXCLUÍDO POR SUA INSIGNIFICÂNCIA, FEIÚRA OU POR RAZÕES ÉTICAS. APTIDÃO PARA ADOTAR A DISPOSIÇÃO ESTÉTICA ENCONTRA-SE DESSE MODO, AVALIADA PELA DIFERENÇA ENTRE O QUE É CONSTITUÍDO, DO PONTO DE VISTA ESTÉTICO, PELO INDIVÍDUO OU PELO GRUPO CONSIDERADO. E O QUE É CONSTITUÍDO ESTETICAMENTE EM DETERMINADO ESTADO DO CAMPO DA PRODUÇÃO PELOS DETENTORES DA LEGITIMIDADE ARTÍSTICA. EM UM CAMPO DE PRODUÇÃO CUJA LEI DE EVOLUÇÃO É A DIALÉTICA DA DISTINÇÃO, É TAMBÉM UMA DEFASAGEM TEMPORAL, UM ATRASO.

OS ENTREVISTADOS RESPONDERAM À SEGUINTE PERGUNTA: EM SUA OPINIÃO, QUAL É A PALAVRA QUE EXPRIME MELHOR A FOTO TIRADA POR UM FOTÓGRAFO COM OS SEGUINTES TEMAS: PAISAGEM, ACIDENTE DE TRÂNSITO...ETC. BELA, INTERESSANTE, INSIGNIFICANTE OU FEIA.NA PRÉ-PESQUISA, PERÍODO EM QUE OS ENTREVISTADOS FORAM CONVIDADOS A JULGAR ALGUMAS FOTOGRAFIAS QUE, NO DECORRER DA ENTREVISTA PROPRIAMENTE DITA, ERAM SIMPLESMENTE NOMEADOS, AS REAÇÕES REGISTRADAS DIANTE DO MERO PROJETO DA IMAGEM REVELARAM-SE TOTALMENTE CONCORDANTES COM AS REAÇÕES SUSCITADAS PELA IMAGEM REALIZADA. PROVA DE QUE O VALOR ATRIBUÍDO À IMAGEM TENDE A CORRESPONDER AO VALOR ATRIBUÍDO À COISA.O RECURSO A FOTOGRAFIAS TEVE A INTENÇÃO DE EVITAR OS EFEITOS DA IMPOSIÇÃO DE LEGITIMIDADE PRODUZIDOS EVENTUALMENTE PELA PINTURA E CONSIDERANDO QUE A PRÁTICA DA FOTOGRAFIA É PERCEBIDA COMO MAIS ACESSÍVEL.

BELA, INTERESSANTE, INSIGNIFICANTE OU FEIA?

  • PAISAGEM
  • ACIDENTE DE TRÂNSITO
  • MENINA BRINCANDO COM GATO
  • MULHER GRÁVIDA
  • NATUREZA-MORTA
  • MULHER AMAMENTANDO BEBÊ
  • ARMAÇÃO METÁLICA
  • BRIGA DE MENDIGOS
  • COUVES
  • PÔR-DO-SOL NO MAR
  • TECELÃO NO TEAR
  • DANÇA FOLCLÓRICA
  • CORDA
  • BALCÃO DE AÇOUGUE
  • CASCA DE ÁRVORE
  • MONUMENTO CÉLEBRE
  • CEMITÉRIO DE SUCATA
  • PRIMEIRA COMUNHÃO
  • HOMEM FERIDO
  • SERPENTE
  • QUADRO DE MESTRE
TESTE PROPOSTO FOI MAIS APROPRIADO PARA COLETAR DECLARAÇÕES DE INTENÇÃO ARTÍSTICA DO QUE AVALIAR A CAPACIDADE DE EXECUTAR ESSA INTENÇÃO (NA PRÁTICA DA PINTURA/FOTOGRAFIA) OU ATÉ MESMO NA PERCEPÇÃO DAS OBRAS DE ARTE. ESSE TESTE PERMITIU FIXAR OS FATORES QUE DETERMINAM A CAPACIDADE DE ADOTAR A POSTURA SOCIALMENTE DESIGNADA COMO PROPRIAMENTE ESTÉTICA. A RELAÇÃO CAPITAL CULTURAL E INDÍCIOS NEGATIVOS E POSITIVOS DA DISPOSIÇÃO ESTÉTICA, A ESTATÍSTICA ESTABELECE QUE OS OBJETOS FAVORITOS DA FOTOGRAFIA COM AMBIÇÃO ESTÉTICA OCUPAM UMA POSIÇÃO INTERMEDIÁRIA.INDÍCIOS NEGATIVOS: RECUSA POR PARTE DO CAFONA. INDÍCIOS POSITIVOS: CAPACIDADE PARA  PROMOVER O INSIGNIFICANTE OU NO MÍNIMO DA CAPACIDADE PARA ACIONAR A CLASSIFICAÇÃO ARBITRÁRIA E DESCONHECIDA COMO TAL QUE, NO INTERIOR DO UNIVERSO DOS OBJETOS TRABALHADOS, DISTINGUE AQUELES QUE, SOCIALMENTE, SÃO DESIGNADOS COMO DIGNOS DE EXIGIR E MERECER UMA ABORDAGEM SEGUNDO UMA DISPOSIÇÃO CAPAZ DE RECONHECÊ-LOS E CONSTITUÍ-LOS ENQUANTO OBRAS DE ARTE. 

COMPARABILIDADE FORMAL: O MESMO CONTEÚDO NÃO EXISTE NAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS. DIPLOMAS ELEVADOS CRESCE À MEDIDA QUE SE SOBE NA HIERARQUIA SOCIAL. AS ESCOLHAS MAIS RARAS (BELA - COUVE/SERPENTE OU INSIGNIFICANTE - PÔR DO SOL) CRESCEM QUANDO SE AVANÇA EM DIREÇÃO ÀS CLASSES SUPERIORES).

A ESTATÍSTICA MOSTRA QUE AS MULHERES MANIFESTAM MAIS FREQUENTEMENTE QUE OS HOMENS SUA REPUGNÂNCIA PELOS OBJETOS REPUGNANTES, HORRÍVEIS/ POUCO DECENTES. A FOTO DE UM HOMEM FERIDO SÓ PODE SER FEIA.DIFERENÇAS QUASE NULAS EM RELAÇÃO À NATUREZA-MORTA OU ÀS COUVES. MULHERES MAIS IDENTIFICADAS COM AS TAREFAS E COM OS SENTIMENTOS HUMANOS/HUMANITÁRIOS, DECORRENTES DA DIVISÃO SOCIAL DO TRABALHO E A OPOSIÇÃO ENTRE A RAZÃO E A SENSIBILIDADE. HOMENS EX OFFICIO (?) - DO LADO DA CULTURA. MULHER - JOGADA À SEMELHANÇA DO POVO, PARA O LADO DA NATUREZA. CENSURA E RECALQUE DOS SENTIMENTOS NATURAIS, TRAÇOS PRESSUPOSTOS PARA A ADOÇÃO DA DISPOSIÇÃO ESTÉTICA. A RECUSA DA NATUREZA/ ABANDONO À NATUREZA ENCONTRAM-SE NA ORIGEM DA ATITUDE ESTÉTICA. 

DISPOSIÇÃO ESTÉTICA DOS DETENTORES DE DIPLOMAS: AO DECLARAR QUE TODAS AS COISAS PODEM TORNAR-SE OBJETO DE UMA PERCEPÇÃO ARTÍSTICA. REPULSA DAS MULHERES (NEUTRALIZAÇÃO ESTÉTICA) E SUA SUBMISSÃO AO MODELO TRADICIONAL DA DIVISÃO DO TRABALHO ENTRE OS SEXOS. REDUZIDO CAPITAL CULTURAL. BAIXA POSIÇÃO NA HIERARQUIA SOCIAL. MULHERES DA NOVA PEQUENA BURGUESIA. MULHERES DE INDUSTRIAIS. MULHERES DE GRANDES COMERCIANTES. MULHERES DE ARTESÃOS E COMERCIANTES. MULHERES DE OPERÁRIOS/EMPREGADOS. ELAS MANIFESTAM SUA PRETENSÃO ESTÉTICA E SUA VONTADE DE MOSTRAR-SE LIVRES DOS TABUS ÉTICOS IMPOSTOS À SUA CONDIÇÃO FEMININA.

NÃO HÁ NADA QUE DISTINGUA TÃO RIGOROSAMENTE AS DIFERENTES CLASSES QUANTO À DISPOSIÇÃO EXIGIDA PELO CONSUMO LEGÍTIMO DAS OBRAS LEGÍTIMAS. APTIDÃO PARA ADOTAR UM PONTO DE VISTA PROPRIAMENTE ESTÉTICO A RESPEITO DE OBJETOS JÁ CONSTITUÍDOS ESTETICAMENTE.  DESIGNADOS PARA ADMIRAÇÃO DAQUELES QUE APRENDERAM A  A RECONHECER OS SIGNOS DO ADMIRÁVEL. MAIS RARO: CAPACIDADE PARA CONSTITUIR ESTETICAMENTE OBJETOS QUAISQUER/ VULGARES (APROPRIADOS ESTETICAMENTE PELO VULGAR). PRINCÍPIOS DE UMA ESTÉTICA PURA NAS ESCOLHAS MAIS COMUNS DA EXISTÊNCIA COMUM. EM MATÉRIA DE CARDÁPIO, VESTUÁRIO, DECORAÇÃO DA CASA. MAS SE É INDISPENSÁVEL PARA ESTABELECER AS CONDIÇÕES SOCIAIS DE POSSIBILIDADE DA DISPOSIÇÃO PURA, A PESQUISA ESTATÍSTICA, TESTE ESCOLAR QUE CONFRONTA PESSOAS INTERROGADAS A UMA NORMA ABSOLUTA. CORRE O RISCO DE DEIXAR ESCAPAR A SIGNIFICAÇÃO ATRIBUÍDA PELAS DIFERENTES CLASSES SOCIAIS A ESTA DISPOSIÇÃO E À ATITUDE GLOBAL EM RELAÇÃO AO MUNDO QUE SE EXPRIME POR SEU INTERMÉDIO. LÓGICA DO TESTE: INCAPACIDADE/ RECUSA. ORIGEM NA DENÚNCIA DA GRATUIDADE ARBITRÁRIA OU OSTENTATÓRIA DOS EXERCÍCIOS DE ESTILO E DAS EXPERIMENTAÇÕES PURAMENTE FORMAIS. EM NOME DE UMA ESTÉTICA, A FOTOGRAFIA ENCONTRA SUA JUSTIFICATIVA NO OBJETO FOTOGRAFADO/ NO USO EVENTUAL DA IMAGEM FOTOGRÁFICA. OS OPERÁRIOS RECUSAM O FATO DE FOTOGRAFAR POR FOTOGRAFAR. EXEMPLO: FOTOGRAFIA DE SEIXOS - INÚTIL, PERVERSO, BURGUÊS."É UM DESPERDÍCIO DE FILME. A PESSOA DEVE TER MUITO FILME PRA JOGAR FORA.

ESTÉTICA POPULAR = ESTÉTICA DOMINADA, OBRIGADA A DEFINIR-SE EM RELAÇÃO ÀS ESTÉTICAS DOMINANTES. OS MEMBROS DAS CLASSES POPULARES NÃO PODEM IGNORAR A ESTÉTICA ERUDITA NEM RENUNCIAR SUAS INCLINAÇÕES SOCIALMENTE CONDICIONADAS E DEFENDÊ-LAS EM PÚBLICO E LEGITIMÁ-LAS. MANTÊM (PRINCIPALMENTE AS MULHERES) RELAÇÃO AMBIVALENTE COM AS NORMAS ESTÉTICAS. OPERÁRIOS, PEQUENOS-BURGUESES, ATRIBUEM ÀS FOTOGRAFIAS PURAS UM RECONHECIMENTO PURAMENTE VERBAL. DISTINGUEM-SE NO SENTIDO EM QUE SABEM O QUE CONVÉM FAZER, DIZER OU NÃO DIZER. "ISSO É LINDO, MAS NÃO ME PASSARIA PELA CABEÇA PEGAR UMA COISA DESSAS"/"COM CERTEZA, ISSO É MUITO LINDO PARA QUEM POSSA APRECIAR, MAS NÃO É O MEU CASO."