quinta-feira, 13 de julho de 2017

texto crítico da exposição CORPÓREOS - escada (parte 2 de 4)

   
 Desenhos dos espaços via paintbrush: Paula Borela. Na foto à direita, fotografias do Paulo Rogério que fazem parte do ACERVO PERMANENTE da galeria LUPA. À esquerda pinturas sobre papel de Cleiton Custódio. 


Curadoria é...?
Viabilizar aqueles artistas que estiveram naquela mostra naquele tempo com aquelas obras naquele espaço...?
Ao estar em contato com obras de arte durante 15 dias nas exposições, nós curadores, vivemos um processo bastante orgânico e vivo, imprevisível e incerto. Uma construção de algo feito com cada artista, no final também é uma construção em conjunto se consideramos a exposição toda montada. Com a abertura, que leva um público maior de visitantes para dentro da galeria, as obras são apresentadas - muito prazer em conhecê-las! 

No entanto já as conhecíamos nas palmas das mãos - literalmente. Desde as prospecções e confabulações nos ateliês dos artistas algo de íntimo já estava estabelecido ali. A curadoria permite um aproach especial com as obras dos artistas, um despudor que pode até gerar apego na desmontagem - é cedo pra irem embora! 

Diariamente olhar de novo pra elas instaladas na galeria, ouvir e ver partes diferentes, perceber por ângulos que não estavam sendo explorados até então. Encontrar novos sentidos para o próprio ser.

Podemos ver novidades em termos de pessoas produzindo arte na cidade bem como notamos  pulos em diferentes fases de produção inseridas no contexto particular de um só artista (Ex.: Picasso, fase rosa, fase azul, "Guernica", "Demoiselles d'Avignon", cubismo sintético, analítico). Eu já havia trabalhado com o Pedro PMAQ anteriormente com obras consignadas numa loja de molduras e conhecia parte da sua produção, que na época estava relacionada a cartas de tarô reinventadas. Aos moldes dos seus traços tradicionais deu-se uma mudança significativa na concepção de seus pin-ups do zodíaco para seus personagens finalizados digitalmente nos últimos 2 anos.


 

PPMAQ: "Coleção Pin-ups do Zodíaco"R$60 cada - 10 unidades disponíveis (2 já foram vendidas). 

 

Obras de PPMAQ - adesivos, histórias em quadrinhos, desenhos, livro de artista.

Passando pela porta de entrada (de madeira com vitrais alaranjados e verdes) na casa-galeria , um nicho localizado no vão da escada foi ocupado com trabalhos que nos remetem aos nossos primeiros gibis da infância, mas que criam um curioso contraponto com questões da fase adulta, ligada ao erotismo e a homossexualidade simultaneamente. A priori o espectador se depara com alguns gibis, pastas de desenhos, personagens cômicos representando dez astros do zodíaco em adesivos sobre MDF e percebe outras pessoas manuseando esses objetos. Ao olhar com calma, algumas surpresas boas para alguns e incômodas para outros. Imagens altamente erotizadas de personagens inventados com ereções fantásticas. Novamente a figura masculina está em voga enquanto a feminina quase desaparece. Como a galeria é frequentada por crianças e adolescentes, tivemos o cuidado de negociar com o artista a opção de aviso quanto à censura para menores de 18 anos devido ao conteúdo pornográfico encontrado nos interiores de um HQ impresso em formato magazine ( PPMAQ: "HQ Class Comics Hook-ups - Zahn and Deimos#2" +18, em inglês R$70 - VENDIDO - é possível solicitar mais unidades com o artista; prazo de entrega 30 dias devido frete internacional) assim como em uma de suas pastas com 86 ilustrações produzidas nos últimos 2 anos (PPMAQ: "Pasta portfólio - ilustrações eróticas" R$10 cada desenho / R$200 toda a pasta) e no seu livro de artista (PPMAQ: "Ppmaq Ero Artbook 2016 - vol. 1" R$100). Principalmente por estarem misturados no mesmo nicho. Não haveria sentido algum desmembrar esse conjunto de trabalhos, inclusive porque parte dele foi elaborado e produzido para esta mostra. O cantinho da escada com o vão ficou intimista e permitiu uma leitura e um manuseio agradável para o público. Finalizando a concepção desta montagem incluímos 2 impressões adesivas sobre chapa plástica, cada uma posicionada de um lado do corredor da escada, com algumas páginas dos HQs Frozen Fire (PPMAQ: "Painéis - Frozen Fire" R$60, "HQ Frozen Fire Volume 1 livre, em português - VENDIDO -" e "HQ Frozen Fire Volume 2 livre, em português" R$20). Também achamos importante não desconsiderar sua produção gráfica em papel com lapiseira e caneta nanquim de censura livre justamente para criar um jogo entre o que é proibido e o que não é...(PPMAQ: "Pasta portfólio - desenhos originais."coleção do artista, não está a venda).

Link Class Comics: http://www.classcomics.com/ccn/

Mouse pad no mesmo flow das pastas de desenhos do PPMAQ. 
Visita ao ateliê do artista na fase de seleção das obras.


Subindo as escadas temos 6 pinturas do artista-filósofo de São Bernardo do Campo que mora em Uberlândia há poucos anos e sempre visita o sítio dos pais em Arceburgo/MG. Duas delas (Cleiton Custódio: "Severino" R$200 e "Câncer cinematográfico" R$100) foram usadas como referência para o convite da exposição através das fotos da curadora Borela. O cigarro aparece de duas formas: 1. explícito: vibrando na boca junto ao ato do fumante e 2. implícito: guardado em um maço fechado e pintado com cores chapadas, a escolha desta obra gerou surpresa, nas palavras do próprio autor...era uma pintura não muito boa dentre outras de sua produção; aqui o item deixou de ter a conotação de um mau uso e passou a ser tratado no formato de objeto estético. Comercializado em embalagens diferenciadas de acordo com edições especiais, a versão retratada aqui parece ter sido inspirada nas embalagens dos anos 1980 e 1990. O nome do cigarro faz alusão a intenção da marca em ter níveis e padrões internacionais.

Curiosamente as fotos feitas no ateliê do artista ficaram com um aspecto esverdeado em função da luminosidade e da cor das paredes de seu quarto. Mas na realidade a metade inferior do maço de cigarro do Grupo Souza Cruz é branca, assim como o fundo na pintura em que o artista retrata seu amigo (ver imagem no início do post).


Visita noturna ao ateliê, várias obras e muita conversa com o artista-cantautor.

 

Obras nas paredes do quarto de Custódio. Convite virtual da exposição: arte de Paulo Rogério Luciano. 

Ao lado destas duas obras colocamos 4 outras pinturas de uma série de têmpera ovo (Cleiton Custódio: "Série de 4 naturezas mortas" R$800) que traz à tona a vibe Andy Warhol, que por sinal fazia crítica a sociedade de consumo. Coca-colas, nota de dólar, revólver e um crânio perfurado foram representados sob um fundo azul; mesmo separados parecem estar num mesmo lugar. Que lugar é esse? Estas 6 pinturas preparam o espectador para uma grande seleção com outras 14 pinturas do mesmo autor instaladas na SALA PISO 2 (aguardar próximo post).

 

5 Naturezas-mortas de Cleiton. Foram selecionadas 4 para a mostra CORPÓREOS, ficando de fora a que contém a sopa Campbell. Fotos: Paula Borela.

 
Layout da escada e quadros do Paulo Rogério Luciano - fotografias de postes.